top of page

Lúcifer finalizou de forma agridoce e emocionou fãs

A sexta e ultima temporada da série estreou nesta sexta-feira (10), na Netflix.



Com dez episódios com duração entre 40 e 60 minutos, Lúcifer, teve um final agridoce, surpreendente e cheio de amor.


Para os fãs sempre foi muito difícil imaginar como seria o fim da série. O casal Chloe (Lauren German) e Lúcifer ( Tom Ellis) teriam um final feliz? Lúcifer se tornaria mesmo Deus? Ella (Aimee Garcia) descobriria a verdade sobre os celestiais? Todas essas perguntas e muitas outras foram respondidas durante os 10 últimos episódios da série.


Meu maior medo sobre a sexta temporada sempre foi o final, a forma como essa historia seria finalizada, não falo só sobre Deckerstar mas de forma geral. O enredo central da série poderia seguir por diversos caminhos, e alguns deles seriam catastróficos, entretanto, não foi o caso.


Rory e Lúcifer


A aparição da personagem Rory (Brianna Hildebrand), como filha de Chloe e Lúcifer vinda do futuro me deixou muito preocupada no inicio, porém, os escritores da série souberam perfeitamente como contar essa história. O relacionamento de Rory e Lúcifer demorou um pouco para desenrolar, mas quando isso aconteceu me vi esperando por mais, para ver mais daquela relação mesmo com a certeza de que, no final, não havia saída.


O looping temporal de Lúcifer consumiu minhas energias até o ultimo minuto, porque eu estava igual aos demais personagens: Torcendo para que ele desse um jeito. Quando o motivo de sua partida foi revelado, tudo se encaixou perfeitamente e me vi satisfeita com o desenrolar da história.


Deckerstar


A história de amor de Lúcifer, o diabo e Chloe, a detetive, foi uma das histórias mais lindas e emocionantes que já acompanhei. Por mais que o casal tenha demorado a expor seus sentimentos, tudo aconteceu no momento certo e teve um final muito emocionante.

Sempre tivemos a total certeza que Lúcifer faria qualquer coisa por sua detetive, inclusive morrer por ela, assim como o próprio admite no inicio da temporada, mas não gostávamos de pensar que, em algum momento, ele teria que escolher entre ela e sua natureza.


Quando percebi o rumo em que a historia estava tomando, não quis acreditar, mas no fundo sabia que aquele seria o fim: Lúcifer sempre seria o diabo e Chloe sempre seria humana, ela envelheceria, ele não. O único jeito deles ficarem juntos seria pós a morte dela e foi exatamente o que aconteceu.

Esse desfecho não me decepcionou, pois teve uma explicação, eles decidiram juntos e sempre estariam um com o outro, afinal, o amor deles é maior que a distancia entre a Terra e o Inferno.


Sim, eu gostaria que ele pudesse ter acompanhado o crescimento de sua filha, junto com sua família, mas ele finalmente tinha entendido o plano de seu pai e ele jamais quebraria uma promessa, ainda mais feita para sua amada filha.

Me emocionei muito com a forma em que o casal lidou com os problemas nessa temporada, como eles assumiram mesmo um relacionamento com base em confiança e dialogo, era algo que estava esperando desde a primeira temporada.

As cenas de deckerstar foram uma verdadeira carta de amor e despedida para os fãs, eu não poderia ter amado mais.


Mazeve


Se me dissessem a dois anos atrás que eu choraria vendo a maze se casando, eu daria risada.

Maze (Lesley-Ann Brandt) e Eva (Inbar Lavi), assim como Deckerstar, demoraram para admitir que queriam estar juntas, e apesar de ter ficado receosa com o plot de casamento das duas, hoje vejo que não haveria final melhor.

Tanto Maze quanto Eva se sentiam sozinhas e queria se encontrar, encontrar seu lugar e uma acabou se tornando o mundo da outra da forma mais simples e a cara delas possível.

Ver o crescimento de ambas as personagens me deixou muito feliz e satisfeita, embora esperasse um pouco mais de tempo de tela.


Ella


Nossa amada cientista forense descobriu tudo e foi bem a cara dela.

Sempre imaginei como seria a reação de Ella ao descobrir a verdade sobre os seres celestiais que se tornaram seus amigos mais próximos, e a maneira como escolheram "revelar" não poderia ter sido mais surpreendente para mim.

Ella sempre foi uma personagem que se escondia atrás do seu sorrio e jeito amável, mas nós sabemos que todos temos lados deprimidos ou sombrios, como usam na série, e por mais que esperasse um pouco mais desse lado sombrio de Ella, senti que para o tempo que tínhamos o essencial foi respondido, principalmente o trauma envolvendo Pete.

O relacionamento entre ela e Carol (Scott Porter) trouxe uma nova perspectiva para ambos e junto com ela aprendemos que todos lutam suas batalhas mas é bem melhor luta-las com alguém ao seu lado.


Amenadiel


Nosso anjo favorito achou sua vocação seguindo os passos do pai.

Falamos muito sobre como Lucifer amadureceu, porém, Amenadiel (DB Woodside) também aprendeu muito nessa estadia na Terra.

Desde o inicio eu sabia que o final de Amenadiel seria ele se tornando Deus, simplesmente pelo fato dele ser perfeito para o trabalho e querer fazer do mundo um lugar melhor, não só para seu filho, mas para todos.

A jornada do personagem foi marcada por vários altos e baixos, o que foi necessário para chegarmos neste que conhecemos.

Tenho certeza que esse sempre foi o Plano de Deus.


Linda


O que seriam de todos sem a paciente terapeuta, Linda Martin (Rachael Harris)?

Linda é a chave de tudo, ainda mais depois de descobrirmos qual era a vocação de Lúcifer, a personagem pode ter ficado um pouco de lado na trama, mas suas cenas e falas são extremamente importantes para o desenrolar dos acontecimentos e me emocionei muito com a despedida dela e de Lúcifer.



Dan


Gostei muito por terem mantido o personagem de Kevin Alejandro nessa temporada. Além de precisarmos descobrir qual foi o motivo que o levou para o inferno pós sua morte, senti que sem ele, grande parte dos personagens estariam perdidos.

A relação dele com a Trixie sempre me emocionou muito, e ao saber que sua culpa vinha do medo de não ter sido um bom exemplo e um bom pai para ela foi difícil segurar a emoção.

Dan merecia ter sua redenção de forma emocionante e isso foi entregue com toda dedicação e cuidado dos escritores.


Os episódios diferenciados me agradaram bastante. O cartoon foi algo totalmente inesperado mas hilário. Já o episódio sobre o BLM foi pesado, mas muito necessário para vermos como o racismo existe em grande em numero e os policiais corruptos também. O episodio de garrafa, onde eles voltam para acontecimentos passados, embora seja um pouco cansativo, explicou muita coisa e nos deu a cena tão aguardada de Chloe descobrindo sobre os sacrifícios de Lúcifer e a epifania final do protagonista, simplesmente incrível.


Embora tenha sido um final com partes felizes e outras nem tanto, a série foi finalizada de forma correta, sem pontas soltas e com uma linda mensagem de gratidão aos fãs. Essa, com certeza, foi escrita para aquecer os corações daqueles que tanto amam esse show.

65 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

2 bình luận


Adriana Gonçalves
Adriana Gonçalves
10 thg 9, 2021

Seu artigo resumiu bem o que foi essa última temporada. A única coisa que eu fiquei um pouco decepcionada foi a Trixie não ter participado mais. Especialmente quando a Chloe morreu, ela poderia estar junto com a Rory.... Mas do resto, achei que conseguiram fechar a trama de uma maneira quase perfeita.

Thích
Bruna Possoli
Bruna Possoli
10 thg 9, 2021
Phản hồi lại

Sim, sobre a Trixie não estar na cena final também não entendi o motivo, e ela não apareceu mais na temporada porque estava rodando outro filme ao mesmo tempo. F

Thích
Post: Blog2_Post
bottom of page